Como preparar-se para a recessão?

O planejamento será seu aliado nos próximos meses

Seja nos jornais ou na sua própria casa, você já deve ter visto ou sentido algum impacto da grande crise causada pelo novo coronavírus. Mesmo com algumas medidas adotadas pelo governo, especialistas prevêem uma taxa de desemprego de 13,5% até o final de 2020. Neste caso, é o momento de se preparar para passar essa fase de maneira amena.

O fato é que a Covid-19 surgiu de surpresa e não houve tempo de fazer grandes preparações financeiras. Contudo, ainda é possível se organizar e fazer o chamado planejamento de emergência. O que isso significa? Nas próximas semanas você terá algumas prioridades, são elas: analisar todos os seus gastos; rever seus custos; verificar tudo o que você tem de dinheiro; planejar os próximos meses; pensar em estratégias para não faltar dinheiro; evitar ao máximo novas dívidas.

Para começar, observe quais são os seus gastos essenciais e quanto eles custam no orçamento. São aquelas despesas indispensáveis, considere: água, luz, medicamentos, financiamentos, dívidas, alimentação e transporte. É provável que você esteja gastando menos com os dois últimos durante o isolamento social, contudo, considere-os para os próximos meses. O ideal é que você some todas essas despesas.

Os gastos variáveis também devem ser analisados. É tudo aquilo que você não precisa manter para sobreviver, por exemplo: cinema aos fins de semana, viagens, roupas novas, barzinhos e por aí vai. Tome como base o extrato do mês anterior para ter uma ideia de quanto custa tudo isso.

Agora é o segundo passo, estabelecer prioridades. Tenha em mente que mudanças precisam ser feitas para que a recessão não seja tão prejudicial. Pense se todos os gastos que você tem atualmente são realmente necessários. Por exemplo, é possível diminuir um pacote de telefone, cortar um serviço de streaming que você não usa, utilizar alguns produtos mais em conta. Tente diminuir pelo menos 10% dos gastos fixos.

Entenda também que este é o pior momento para se fazer dívida, por isso, adie a compra de qualquer grande coisa até que tudo esteja mais estabilizado. Até porque, a economia pode demorar alguns anos para ser restabelecida.

Outro passo importante é investigar quanto você tem de dinheiro, considere as contas bancárias, investimentos, previdência privada, reserva de emergência e até mesmo o FGTS. Além disso, observe o que você tem de valor em casa, como joias, eletrônicos e até roupas. Na hora do aperto, talvez seja o caso de vendê-los para ajudar nas contas.

Os trabalhadores precisam se virar como podem e como a situação permite. Depois de analisar os gastos e os ganhos, é necessário planejar os próximos meses. Em geral, trabalhe com um cenário pessimista em que o isolamento social dure 3 meses. Se você tem um emprego fixo e consegue fazer home office, calcule tudo tendo como base a sua renda atual. 

Agora se você é autônomo e está impossibilitado de realizar suas funções, pense em novas estratégias. Conte com o Whatsapp, com a internet, com as entregas delivery. Divulgue ao máximo o seu trabalho nas redes sociais também. 

Por fim, se você tomar todas essas medidas e mesmo assim as contas não fecharem, conte com facilidades de crédito oferecidas pelo governo ou pelos bancos para pagar as contas essenciais. Não utilize o cheque especial ou o rotativo do cartão, eles têm os maiores juros do mercado. 

A situação pode ser difícil, mas lembre-se que agora é a hora de fazer um bom planejamento e tentar lidar com isso da maneira mais tranquila possível.